Uma das frases que mais ouço ou vejo são empresas recém criadas para a comercialização de centrais multimídia dizer que, seu produto é inovador ou cheio de novas tecnologias, mas isso é verdade?

A última vez que vi alguma inovação foi em 2014 e nem foi algo trazido pelos fabricantes de centrais e sim uma característica do Android 4.4 (Kit Kat). Foi o espelhamento, alguns conhecem como Phonelink, Mirracast e outros nomes comerciais.

Desde essa época, não vi mais nada fora do comum.

 

O mesmo Hardware com cara nova 

Acredito que, em um mundo competitivo, todos sabem que muitas empresas focam em preço abaixo, mesmo que isso esteja relacionado a uma baixa performance, pois bem.

Tenho encontrado em centrais “novas” componentes obsoletos e que não acompanharam a evolução tecnológica. Querem um exemplo?

Bluetooth

No começo, era somente para ligações mas com a adoção do A2DP (Advanced Audio Distribution Profile) essa realidade mudou, hoje todos querem conectar seu smartphone e ouvir suas músicas preferidas. Mas a qualidade de áudio era “sofrível”, pior que Mp3 gravado a 64kbps.

O bluetooth é separado por gerações ou versões. A primeira versão transmitia dados a velocidades baixíssimas.

A segunda verão, considero a pior versão, 3.0. Carregada de Bugs, problemas de conexão e quedas.

A mais difundida é a 4.0 mas já estamos na 5.0.

Cada versão o trafego de informações é aumentada, isso garante boa qualidade de áudio.

Agora, quem dúvida que eu ainda encontro módulos bluetooth em centrais “novas” da geração 3 e até mesmo da 2? Sim, não é incomum achar componentes obsoletos que até para encontrar documentação técnica se torna uma tarefa impossível.

Nem vou comentar aqui sobre APTX e outros protocolos de comunicação por Bluetooth pois esse não é o foco do post.

 

Lucro e mais Lucro

A estratégia destas empresas é simples, vender algo “bonito” mas que dentro é algo ruim. Pouquíssimas pessoas tem conhecimento ou vêem necessidade em abrir a central multimídia, menos ainda fazer uma análise de circuito.

Grande parte do custo da produção de uma central multimídia esta no LCD e no Touch Capacitivo. O restante tem que ser o mais barato possivel.

Entra nesta conta conversores Digitais Analógicos (DAC), processadores de áudio, pré amplificadores e as saídas amplificadas.

 

Onde esta a inovação? 

Se os produtos vendidos ou apresentados como evolução tecnológica não possuem nada além do obsoleto, será que o diferencial esta no atendimento?

Pior, NENHUMA marca de central multimídia que conheço possui manual detalhado, pós venda e assistência técnica. Talvez eu tenha exagerado, conheço UMA, em um universo de centenas de marcas que aparecem e na mesma velocidade, somem.

 

O que considero inovação tecnológica?

No minimo é usar os mais recentes lançamentos de componentes nos produtos apresentados.

Lembrem-se, o produto deve ser um conjunto e não somente um “rostinho bonito”.

Sabem o que eu gostaria de ver, um bom receptor Bluetooth com, por exemplo, APTX. Conversores Digitais Analógicos com SNR acima de 99db. Saídas pré amplificadas com tensões e características que minimizem ruídos…UMA PERFEITA INTEGRAÇÃO ELETRÔNICA COM O CARRO… não tem fim.

Pelo preço que pagam, os produtos deveriam vir com tudo isso, mas paga-se muito por pouco produto, olhe seu Smartphone, dependendo da central ela custa mais que um Galaxy S9 ou um Iphone 8. Pensem nisso.

Artigo anteriorNova maquininha Sumup SUPER
Próximo artigoApp Engie, o novo dispositivo que promete tornar seu veículo inteligente
Técnico automotivo e eletrônico, Consultor. Mais de 25 anos de experiência no ramo de som e acessórios automotivos. Já restaurei a elétrica de carros antigos, customizei motos mas minha paixão é mesmo eletrônica.

6 COMENTÁRIOS

  1. E aí, Reinaldo. Parabéns pelo site. Muito bom. Sempre que tenho tempo, eu passo aqui pra dar uma lida.
    Eu tenho várias dúvidas sobre a qualidade do áudio nos diversos tipos de transmissão, principalmente via Bluetooth.
    Todos sabem que em formatos digitais o CD é o que tem a melhor qualidade, mas as pessoas estão usando cada vez menos. Pen Drive com arquivos FLAC ou WAV mantém qualidade de CD.

    Minha dúvida é em relação às outras conexões. Cabo P2 x Bluetooth x A.O.A (Android Open Accessory).
    Qual das 3 teria a melhor transmissão? O por quê? Quais pontos negativos e positivos de cada uma?
    Sempre pesquisei sobre esse assunto e nunca encontrei realmente as respostas.
    Acredito que utilizar um Smartphone top de linha com DAC Hi Res e transmissão via cabo P2 seja o que o apresenta melhor qualidade. Mas smartphones intermediários não ficam tão bom, fora que tem a questão do cabo também. Já ouvi falar que cabos apresentam perda. É verdade?
    Android Open Accessory é um protocolo criado para fazer a transmissão do Smartphone Android para o player através do cabo USB. Li uma vez na página do google que a transmissão pode atingir a qualidade de CD (16 / 44.1khz). Minha dúvida começou justamente depois que li isso. Quem no caso faria a decodificação do áudio digital? O DAC do Smartphone ou o DAC do CD Player? Eu achava que quem quem convertia era o DAC do Smartphone, que mandava o áudio via USB para o player. Mas no Fórum do Hardware um usuário me falou que a conversão é feita no DAC do Player, que o smartphone manda o arquivo via cabo e o próprio player que faz a conversão.
    O Bluetooth que é uma grande questão. Fato que existem aparelhos com versões antigas e que o som fica pior do que o de rádio. No meu aparelho é a versão 3.0 e confesso que o som até que me surpreendeu. Tenho kit 2 vias e confesso que não esperava que tivesse tão boa qualidade. Mas como prezo pela qualidade, ainda prefiro usar o pen drive com arquivos FLAC. Mesmo assim tenho dúvidas sobre o Bluetooth. No caso, qual o “tamanho” da perda de qualidade do Bluetooth com relação às outras formas de transmissão? Tecnicamente falando, qual a taxa de transmissão? E da mesma dúvida que tenho sobre o A.O.A, quem faz a conversão do áudio? É o codec do Bluetooth? Ou o smartphone manda o arquivo para o Player e ele faz a conversão?
    São dúvidas que eu sempre tive e não vejo ninguém falando sobre isso.
    Valeu!

    • Boa tarde,
      A palavra que tem que pesquisar é “lossless”, quando considero sem perdas estou dizendo que a qualidade é igual a um CD, ou seja 16bits e 44khz de taxa de amostragem.
      Bluetooth, até a geração 4 possuíam limitações em relação a qualidade, algumas empresas diziam que suas tecnologias eram sem perdas, mas cheguei testar o APTX e percebi perdas. Hoje com a versão 5 a esperança é que o APTX HD traga melhor qualidade, ou pelo menos distorça menos a música, a transmissão de dados é bem superior a anterior.

      Tenho aqui arquivos FLAC extraídos de CDS e não consegui achar diferenças, nesse caso, tanto Wave quanto Flac são formatos “lossless”

      Nunca cheguei a pesquisar sobre essa tecnologia da Android, um dia com mais tempo vou analisar. Se for comparar as outras duas com absoluta certeza o P2 (de boa qualidade) entregará melhor qualidade de áudio.

      Sobre usar Smart e arquivos Hi Res, fiz 4 testes tempos atrás:
      1. Usando a saída do fone de ouvido, cabo P2 Belkin na entrada de um XDP4000x
      2. Adaptador DAC Burr Brown USB – Toslink na entrada do XDP4000x
      3. Wifi usando um Cromecast Audio ligado via Toslink no XDP4000x
      4. CD cdx-c90 ligado via Toslink no XDP4000x

      De todos, coloco a qualidade de áudio no seguinte nível, primeiro o 4.. seguido do 2, 1 e 3.

      Por não ter arquivos de áudio de alta fidelidade (garantidos), talvez diante disso não tenha sido um bom comparativo, na época usei Dire Straits e Pink Floyd como referência por ter os CDS.
      A qualidade do Chromecast foi algo que me deixou absolutamente triste, esperava mais. O CD direto sem comparação, áudio perfeito.. P2 era audível com um pequeno ruido de fundo e ligando via toslink o resultado foi “menos pior”

      O SmartPhone é o S8.. lembrando que, no Samsung, em teoria.. estava sendo transmitindo áudio em alta resolução extraído de SACD.. (DSD)

      Peguei o S8 e coloquei um fone de ouvido.. converti as musicas em FLAC e comparei com o DSD.. não ouvi diferença (Fone Edifier).
      No passado, eu tive um sistema residencial com boas caixas..bom reprodutor, bons cabos.. e um razoável amp, ali eu conseguia ouvir diferenças entre áudio do SACD e do CD, minima mas perceptível.

      Resumindo, eu acho desnecessário ter HI-RES no carro, necessita de bons equipamentos que não custam barato, em um ambiente automotivo é dinheiro jogado fora (Na minha opinião)

      Sobre o DAC, entenda que isso é um conversor digital para analógico, toda vez que possuir transferência digital de arquivos não faria sentido converter um sinal para analógico e depois converte-lo novamente em digital para transmiti-lo por Bluetooth (exemplo).
      Nesse caso, se usar um cabo P2, é o DAC do Smartphone que faz a conversão. Se usar Bluetooth, é o componente do player que fará a conversão, lembrando que a qualidade é limitada pela taxa de transferência.
      Se usar USB, mesma coisa do Bluetooth, vc tem um sinal transmitido digitalmente e o player que faz a conversão.

      OBS: Existem aparelhos automotivos que pegam o sinal analógico (P2 por exemplo) e transformam em digital via ADC para que algum processador faça “ajustes”, isso não é incomum.

      Tem gente que acha que USB é analógico =(

      Hoje eu possuo um player Kenwood DNN9150BT com Bluetooth 3.0.. não gosto.. prefiro usar o FLAC via pendrive (uso Hard Drive)..

      Como o gosto de áudio é um pouco subjetivo, recomendo você efetuar os testes e sobre comparar o A.O.A.. um dia pesquiso e testo.

      O assunto é muito extenso, recomendo entrar no HTfórum que terá muito conteúdo, fica até mais fácil de responder por lá.

      Abs