covid 19 comercio

Não consigo esquecer, no inicio de Janeiro de 2020 fiz um pedido de componentes eletrônicos na China e o fornecedor, sem dizer muito, avisou que a entrega ia demorar muito mais do que o esperado. Estranhei a conversa mas mesmo assim comprei.

Em 23 de janeiro de 2020 a cidade de Wuhan, na China, entrava em Lockdown para impedir a disseminação do Covid-19.

Poucos sabem, mas muitos dos componentes que eu compro vinham de Wuhan ou de províncias próximas. E pedidos que demorariam 15 ou 20 dias uteis, foram chegar 7 meses depois.

Não é novidade, a pandemia causou uma queda  bruta nos rendimentos de muitas empresas e negócios no Brasil. Para tentar minimizar esse efeito, alguns setores podem se reinventar.

Mas como atender o publico em meio a cansáveis medidas restritivas? Não comentarei o fato dos governantes não trabalharem juntos, mas isso é um fator a mais para considerar.

Um dos primeiros passos é migrar sua empresa para o universo da internet. Não fico surpreso que em pleno século 21 muitas empresas não tem se quer um site para apresenta-lo.

Se acredita que um site é um passo muito grande, as redes sociais ajudam muito nisso, mas não adianta criar e esperar sem produzir conteúdo. É um investimento de tempo e criatividade.

Para o setor de produtos isso é um pouco mais fácil, o de serviços é mais complicado. Mas ainda há muito espaço para se reinventar.

Atendimento personalizado é fundamental, simplicidade nesse momento é essencial. Não adianta ter vários canais de comunicação e não dar conta de nenhum.

Tente entender qual a necessidade do seu cliente e o que ele mais procura. Muitas vezes empresas esquecem de atender a sua comunidade e focam em envios para outros estados. Muitas entregas podem ser feitas com custos baixíssimos em sua cidade sem a dependência da logística dos Correios.

Sabem aqueles “mimos” que algumas empresas entregam junto com o seu pedido? Apesar de ser um diferencial o consumidor quer mesmo o produto que ele comprou. Que a foto e a ilustração seja condizente com aquilo oferecido. Não abuse de filtros nas fotos. Fotos com ambientes iluminados e um bom contraste basta.

Para o setor de serviços é um pouco mais complicado. Eu sempre acreditei que para atender bem o seu publico você tem que instrui-lo. Mesmo que ele não faça o serviço na sua empresa só o fato de explicar mostra o seu conhecimento. Pode ter certeza, a grande maioria volta.

Lembra da dica acima? Redes Sociais são ótimas para isso. Ajude o consumidor a encontrar a melhor opção para o problema dele sem entregar o segredo do seu empreendimento. Desta forma ele vai procurar outras empresas e compara-las a sua, mesmo que o seu serviço seja um pouco mais caro, muitos vão preferi-lo.

Ofereça novas formas de pagamento, existem inúmeras instituições que oferecem os meios de pagamentos mais diversos. Eu prefiro a SUMUP e a uso a anos.

Já ouviu a musica, dinheiro na mão é vendaval.. na vida de um sonhador? Pois é.. muitas vezes prefiro receber em meios eletrônicos do que em dinheiro. É muito mais fácil perder o controle financeiro quando se tem dinheiro (físico). Pense nisso.

Reduza custos, alguns pontos comerciais são caríssimos, isso é realmente necessário? Alguns setores não dependem do grande fluxo de veículos e pessoas para atrair clientes, desta forma voltamos à divulgação nas redes sociais e websites.

Eu sempre acho que não existe negociação com proprietários de imóveis comerciais pois sempre estamos em uma situação desfavorável, a melhor forma é encontrar outro local, de menor valor e que atenda a sua demanda.

 

Pequenas mudanças no jeito de vender ou se relacionar com o cliente podem fazer a diferença na hora de driblar prejuízos nos negócios, podemos nos reinventar.